CURRICULARIZAÇÃO DA EXTENSÃO NA FORMAÇÃO DO ENFERMEIRO POR MEIO DO INSTAGRAM®: CUIDAR ESTÁ NO SANGUE

Autores

DOI:

https://doi.org/10.31512/vivencias.v17i34.543

Resumo

Este artigo tem como objetivo relatar a experiência de curricularização da extensão na formação do Enfermeiro por meio do Instagram®. O projeto de extensão “Cuidar está no Sangue”, desenvolvido por estudantes e professores da Universidade de Pernambuco, campus Petrolina, integra ensino-serviço-comunidade para a formação do Enfermeiro com foco no exercício da cidadania, solidariedade e humanização. As ações extensionistas presenciais, realizadas no entorno da Universidade, foram substituídas, durante a pandemia do novo coronavírus, por ações virtuais com a criação da conta “@gepcuidar” na rede social Instagram®  vinculada ao Grupo de Estudos e Pesquisa em Teorias e Práticas do Processo de Cuidar em Saúde e Enfermagem na Rede de Atenção (GEPCuidar) que posta semanalmente conteúdos produzidos para ampliar o alcance de informações seguras e produção dialógica de conhecimento sobre a doação de sangue, a fim de desmitificar e estimular a procura pelos hemocentros, diante dos baixos estoques sanguíneos, que se evidenciaram ainda mais durante a pandemia. A experiência demonstrou que a rede social pode ser utilizada com êxito para a continuidade do processo curricularização e creditação de carga horária da extensão no curso de Enfermagem no período remoto.

Biografia do Autor

Amanda Regina da Silva Góis, Universidade de Pernambuco, Petrolina, PE, Brasil

Doutora em Enfermagem. Professora Adjunta do Curso de Enfermagem. Universidade de Pernambuco, campus Petrolina. Petrolina, Pernambuco e Brasil.

Ana Paula Vieira Araújo, Universidade de Pernambuco, Petrolina, PE, Brasil

Discentes de Enfermagem. Universidade de Pernambuco, campus Petrolina. Petrolina, Pernambuco e Brasil.

Edla Raissa Sousa Oliveira, Universidade de Pernambuco, Petrolina, PE, Brasil

Discentes de Enfermagem. Universidade de Pernambuco, campus Petrolina. Petrolina, Pernambuco e Brasil.

Ricardo Pereira Landim, Universidade de Pernambuco, Petrolina, PE, Brasil

Discentes de Enfermagem. Universidade de Pernambuco, campus Petrolina. Petrolina, Pernambuco e Brasil.

Referências

BARBOZA, S.I.S.; COSTA, F.J. Marketing social para doação de sangue: análise da predisposição de novos doadores. Cadernos de Saúde Pública [online]. 2014, v. 30, n. 7 [Acessado 30 Maio 2021], p. 1463-1474. DOI: https://doi.org/10.1590/0102-311X001.

BEERLI-PALACIO, A., MARTÍN-SANTANA, J. D. Model explaining the predisposition to donate blood from the social marketing perspective. Int. J. 2009, v.14, n.3 [Acessado 15 Maio 2021], p.205–214 DOI: https://doi.org/10.1002/nvsm.352.

BRASIL. Ministério da Saúde (MS). Manual de orientações para promoção da doação voluntária de sangue. Brasília: Ministério da Saúde, 2015. 154 p. Disponível em: <http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/manual_orientacoes_promocao_doacao_voluntaria_sangue.pdf>. Acesso em: 15 abr. 2021.

BRASIL. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA). Anvisa esclarece. 2017. Disponível em: <http://portal.anvisa.gov.br/anvisa>. Acesso em: 15 abr. 2021.

BRASIL. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA). Nota técnica número 5. 2020. Dispõe sobre Atualização dos critérios técnicos para triagem clínica. Disponível em: <http://portal.anvisa.gov.br/>. Acesso em: 27 abr. 2021.

BRASIL. Ministério da Saúde. Resolução nº 7, de 18 de dezembro de 2018. Disponível em:< http://portal.mec.gov.br/>. Acesso em: 06 de mai. 2021.

FABRIZZIO et al. Tecnologia da informação e comunicação na gestão de grupos de pesquisa em enfermagem. Escola Anna Nery [online]. 2021, v. 25, n. 3 [Acessado 31 Maio 2021] , e20200299. DOI: https://doi.org/10.1590/2177-9465-EAN-2020-0299.

FORTE, E. C.N.; PIRES, D. E. P.Nursing appeals on social media in times of coronavirus. Revista Brasileira de Enfermagem [online]. 2020, v. 73, suppl 2 [Acessado 31 Maio 2021], e20200225. DOI: https://doi.org/10.1590/0034-7167-2020-0225.

FIALHO, L. M. F.; DE SOUSA, F. G. A. Juventudes e redes sociais: interações e orientações educacionais. Revista Exitus, v. 9, n. 1, p. 202-231, 2019. Disponível em: <http://www.ufopa. edu.br/portaldeperiodicos/index.php/revistaexitus/article/view/721>. Acesso em: 19 abr. 2021.

HUANG, et al. Attitudes of Chinese health sciences postgraduate students’ to the use of information and communication technology in global health research. BMC Medical Education, 2019, v.19, n.1, p.367. DOI: https://doi.org/10.1186/s12909-019-1785-6.

LEMOS, A. A comunicação das coisas: a Teoria Ator-Rede e cibercultura. São Paulo: AnnaBlume, 2012.

LORENZINI_ERDMANN, A et al. Políticas, gerência e inovação de grupos de pesquisa para a excelência em enfermagem. Aquichan, Bogotá, 2013, v. 13, n. 1, p. 92-103. Disponível em: <http://www.scielo.org.co/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1657-59972013000100009&lng=en&nrm=iso>. access on 31 May 2021.

LONGARAY, A.A et al. Análise do emprego do F-commerce como impulsionador do desempenho organizacional em micro e pequenas empresas no Brasil. RISTI, Porto, v. 27, n.1, p. 67-85, jun. 2018. DOI: http://dx.doi.org/10.17013/risti.27.67-85.

LUDWIG, S.T., RODRIGUES, A. C. M. Doação de sangue: uma visão de marketing. Cad. Saúde Pública, 2005, v.21, v.3, p. 932–939. DOI: https://doi.org/10.1590/S0102-311X2005000300028.

MEJIA, J.; MUÑOZ, M.; FELIU T.S. Tendencias en Tecnologías de Información y Comunicación. RISTI, Porto, v.26, n.1, p.47-52, 2018. DOI: http://dx.doi.org/10.4304/risti.35.0.

MORENO CELY, G. A., GUTIÉRREZ RODRÍGUEZ, R. E. Estudio prospectivo de la tecnología en la educación superior en Colombia al 2050. Universidad & Empresa, 2020, v.22, n.38, p. 160-182. DOI: http://dx.doi.org/10.12804/revistas.urosario.edu.co/empresa/a.7583.

OMS.ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE. La OMS recomienda aumentar el número de donantes voluntarios de sangre. Genebra: OMS; [Internet] 2013. Disponível em: <http://www.who.int/mediacentre/news/releases/2012/blood_donation_20120614/es/index.htm>. Acesso em: 15 abr. 2021.

OPAS. ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DE SAÚDE. Manutenção do fornecimento de sangue seguro e adequado durante a pandemia da doença causada pelo novo coronavírus (COVID-19). Orientação provisória 20 de março de 2020. Disponível em: <https://iris.paho.org/bitstream/handle/10665.2/51985/OPASBRACOVID1920032_por.pdf?sequence=1&isAllowed=y>. Acesso em: 15 abr. 2021.

OPAS. ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DE SAÚDE. OPAS alerta para possível escassez de sangue durante a pandemia de COVID-19. 2020. Disponível em:< https://www.paho.org/pt/noticias/10-4-2020-opas-alerta-para-possivel-escassez-sangue-durante-pandemia-covid-19>. Acesso em: 07 mai. 2021.

PEREIRA, J. R. et al. Doar ou não doar, eis a questão: uma análise dos fatores críticos da doação de sangue. Ciência e Saúde Coletiva, 2016, v. 21, n. 8, p. 2475-2484. DOI: https://doi.org/10.1590/1413-81232015218.24062015.

PROGRAD. Resolução CEPE 068/2017 – UPE. Disponível em: http://www.upe.br/cepe/resolucoes-cepe-2017. Acesso 20 Maio 2021.

PROEC. Guia da creditação das atividades de extensão. Planejamento de atividades de extensão e caminhos para Creditação. Disponível em: http://www.upe.br/phocadownload/userupload/estudos/Resolucao_CEPE_068_2017_curricularizacao_extensao.PDF. Acesso 20 Maio 2021.

SILVA, J.R. et al. Redes Sociais e Promoção da Saúde: Utilização do Facebook no Contexto da Doação de Sangue. RISTI, Porto, n. 30, p. 107-122, dez. 2018. DOI: http://dx.doi.org/10.17013/risti.30.107-122.

SILVA et al. Programa “sangue bom”: estratégias de mobilização para captação de doadores de sangue durante a pandemia da covid-19. Expressa Extensão, 2021, v. 26, n. 1, p. 318-327. Disponível em:< https://periodicos.ufpel.edu.br/ojs2/index.php/expressaextensao/article/view/19556/pdf>. Acesso em: 19 abr. 2021.

SOUZA, M. K. B.; SANTORO, P. Desafios e estratégias para doação de sangue e autossuficiência sob perspectivas regionais da Espanha e do Brasil. Cadernos Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 27, p. 195-201, 2019. Disponível em: <https://www.scielo.br/pdf/cadsc/ v27n2/1414-462X-cadsc-27-2-195.pdf>. Acesso em: 19 abr. 2021.

SUMNIG, et al. The role of social media for blood donor motivation and recruitment. Transfusion, n. 58, v.10, p. 2257-2259. DOI: http://dx.doi.org/10.1111/trf.14823.

Publicado

2021-10-05

Como Citar

Góis, A. R. da S., Araújo, A. P. V. ., Oliveira, E. R. S. ., & Landim, R. P. (2021). CURRICULARIZAÇÃO DA EXTENSÃO NA FORMAÇÃO DO ENFERMEIRO POR MEIO DO INSTAGRAM®: CUIDAR ESTÁ NO SANGUE. Vivências, 17(34), 121-133. https://doi.org/10.31512/vivencias.v17i34.543

Edição

Seção

Dossiê: Vivências de Curricularização da Extensão Universitária