EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA COM VISTAS AO ENGAJAMENTO FEMININO NA ÁREA DE STEAM: RELATO DE UMA VIVÊNCIA JUNTO AO GRUPO PETECA DA UNESP - CÂMPUS DE SOROCABA

Autores

DOI:

https://doi.org/10.31512/vivencias.v17i34.532

Resumo

O texto tem por objetivo relatar uma vivência junto ao programa de educação tutorial (PET) do curso de engenharia de controle e automação (ECA), da UNESP - Câmpus de Sorocaba. A ação ocorreu nos anos de 2019 e 2020, viabilizada por meio de uma proposta de extensão universitária, com a finalidade de engajar mulheres em áreas predominantemente masculinas, mais especificamente em ciências exatas e engenharias.  A proposta é parte do projeto integrador do grupo e contou com a participação de membros do PET, estudantes e professores colaboradores do curso de Engenharia de Controle e Automação e professores do Ensino Médio. Seguindo os princípios da metodologia ativa STEAM, foi proposta a construção de um MiniCultivo automatizado proporcionando aos participantes a constituição de conhecimentos de ciência, tecnologia, engenharia, artes e matemática. Associada a isso, corrobora por discutir situações cotidianas de intolerância e diferença de gênero. A proposta foi desenvolvida junto a um grupo de estudantes do Ensino Médio de uma escola pública da cidade de Sorocaba-SP, que oferece ensino em tempo integral. Em conclusão, o projeto trabalha tanto com questões teóricas quanto sociais, aumentando assim, o interesse feminino pelas áreas exatas.

Biografia do Autor

Bianca Themoteo da Silva , Universidade Estadual Paulista, Sorocaba, SP, Brasil

Graduando em Engenharia de Controle e Automação pelo "Instituto de Ciência e Tecnologia de Sorocaba" (UNESP). Atuação no programa PET-ECA como colaborador de Abril de 2019 até Agosto de 2019. Desempenhou processo de monitoria na disciplina de ICC (Introdução a Ciência da Computação) no primeiro semestre de 2020. Atualmente, desempenha papel de bolsista no Programa de Educação (PET- ECA) desde de agosto de 2019 na qual desenvolve projetos e trabalhos em pesquisas, ensino e extensão e também é a atual representante discente no CLAA desde 01 de outubro de 2020. Aliado a isso desenvolve o protótipo de um mini-cultivo automatizado cuja a função seja monitorar o ambiente de cultivo e mandar uma resposta para o observador; que envolva programação, eletrônica e robótica, também que seja de fácil reprodução, para ser usado como ferramenta social nas escolas de Ensino Médio. Também atua como professora de biologia botânica da instituição GERA-BIXO (curso pré-vestibular comunitário) do "Instituto de Ciência e Tecnologia de Sorocaba" (UNESP) desde o segundo semestre de 2019. Aliado a isso, desempenha função administrativa na instituição BAJA, veículo off-road que promove aplicações práticas de engenharia ainda dentro da faculdade.

Fernanda Carvalho, Universidade Estadual Paulista, Sorocaba, SP, Brasil

Graduanda no curso de Engenharia de Controle e Automação pela Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" - Instituto de Ciência e Tecnologia de Sorocaba e bolsista no Programa de Ensino Tutorial (PET-ECA) da unidade ICTS.

Fabiane Mondini, Universidade Estadual Paulista, Sorocaba, SP, Brasil

Possui graduação em Licenciatura em Matemática pela Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões (URI)- Câmpus de Erechim (2003), especialização em Educação Matemática pela Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões (URI)- Câmpus de Erechim (2005), mestrado em Educação Matemática pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP)-Câmpus de Rio Claro (2009) e doutorado em Educação Matemática pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho - Câmpus de Rio Claro (2013). Professora do Departamento de Engenharia de Controle e Automação do Instituto de Ciência e Tecnologia da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho - Câmpus de Sorocaba e do Programa de Pós-Graduação em Educação Matemática da UNESP - Campus de Rio Claro. Atua nos cursos de Engenharia, principalmente, com as disciplinas de Geometria Euclidiana, Álgebra Linear e Cálculo Diferencial e Integral. Tem experiência em Matemática, com ênfase em Educação Matemática, atuando principalmente em Filosofia da Educação Matemática. Pesquisadora dos grupos de pesquisa: Fenomenologia em Educação Matemática (FEM) e do Grupo de Estudos e Pesquisa em Formação de Professores (GEForProf).

Flávio Alessandro Serrão Gonçalves, Universidade Estadual Paulista, Sorocaba, SP, Brasil

Possui graduação em Engenharia Elétrica pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho - UNESP (1998), mestrado (2001), doutorado (2005) e pós-doutorado (2008) em Engenharia Elétrica com especialização na área de Eletrônica de Potência pela UNESP. De 2005 a 2008 foi pesquisador associado e de 2008 a 2010 foi professor doutor no Departamento de Engenharia Elétrica da Faculdade de Engenharia de Ilha Solteira (UNESP-FEIS). Desde 2010 é professor doutor da UNESP no Instituto de Ciência e Tecnologia de Sorocaba. Em 2011 foi Professor Visitante na Università degli Studi di Padova, Itália. Foi Presidente da Comissão Permanente de Pesquisa de 2012 até 2015 e Líder do Grupo de Pesquisa de Automação e Sistemas Integráveis de 2011 até 2013, onde atualmente ocupa a posição de Vice-Lider. Foi Coordenador do curso de Engenharia de Controle e Automação no ICTS/UNESP de 2012 até 2014. Em 2016/2018 integrou dois Comitês Técnicos Assessores (CT2 e CT3) do Conselho Estadual de Política Energética ? CEPE no processo de atualização do Plano Paulista de Energia 2020 - PPE 2020. Foi membro titular da Comissão de Acompanhamento e Avaliação dos Cursos de Graduação, assessora da Câmara Central de Graduação ? CCG/UNESP de 2018 a 2020. Em 2019 se tornou membro do conselho deliberativo do Arranjo Produtivo Local de Energias Renováveis da Região de Sorocaba (APL de Energias Renováveis). Tem experiência no desenvolvimento de projetos tecnológicos com ênfase em Eletrônica Industrial, atuando principalmente nos seguintes temas: Qualidade do processamento eletrônico da energia elétrica; Análise, projeto e implementação de conversores estáticos (CC-CC, CC-CA, CA-CC e CA-CA); Correção ativa do fator de potência; Técnica de Paralelismo de conversores; Controle e Acionamentos Eletrônicos de Máquinas Elétricas; Desenvolvimento de sistemas de controle digital (FPGA, DSP, Microcontroladores, Arduino); Síntese de sistemas eletrônicos empregando linguagem de descrição de hardware (VHDL/Verilog), e Desenvolvimento de plataformas distribuídas para Treinamento e E-Learning em Engenharia (JAVA, Android).

Referências

BICUDO, M. A. V. Um ensaio sobre concepções a sustentarem sua prática pedagógica e produção de conhecimento da Educação Matemática. In: Flores, C.R. e Cassiani, S. (Org.). Um ensaio sobre concepções a sustentarem sua (da educação matemática) prática pedagógica e produção de conhecimento. Campinas: Mercado das Letras, 2013.

BRASIL. Ministério da Educação. Resolução n. 2. Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do curso de Graduação em Engenharia. Brasília, DF: Ministério da Educação, 24 abr. 2019.

GAROFALO, D. Como levar o STEAM para a sala de aula. Nova Escola, 2019. Disponível em: https://novaescola.org.br/conteudo/18021/como-levar-o-steam-para-a-sala-de-aula. Acesso em 20 ago. 2021.

GIL, R. R. Engenheira também é lugar de mulher. Sindicato dos Engenheiros no Estado de São Paulo, 2021. Disponível em: https://www.seesp.org.br/site/index.php/jornal-do-engenheiro/item/19965-engenharia-tambem-e-lugar-de-mulher. Acesso em: 10 mar. 2021.

MARQUES, G. E. de C. A Extensão Universitária no Cenário Atual da Pandemia do COVID-19. Revista Práticas em Extensão, v. 04, n. 1, p. 42-43, 2020. Disponível em: https://www.uema.br/2020/07/artigo-a-extensao-universitaria-no-cenario-atual-da-pandemia-do-covid-19/. Acesso em: 12 mar. de 2021.

MONDINI, F. et al. Educação tecnológica no âmbito da educação matemática: articulando compreensões. Revista Pesquisa Qualitativa, São Paulo, v. 19, n. 20, p. 143-157, 2021. Disponível em: https://doi.org/10.33361/RPQ.2021.v.9.n.20.416. Acesso em: 20 maio 2021.

MONTEIRO, E. Excluídas da revolução digital. Projeto Colabora, [s.l.], 25 jun. 2018. Disponível em: https://projetocolabora.com.br/ods5/luta-por-espaco-na-tecnologia. Acesso em: 10 set. 2020.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS PARA A EDUCAÇÃO, A CIÊNCIA E A CULTURA (UNESCO). Decifrar o código: educação de meninas e mulheres em ciências, tecnologia, engenharia e matemática (STEM). Brasília: UNESCO, 2018. Disponível em: https://unesdoc.unesco.org/ark:/48223/pf0000264691. Acesso em: 21 mar. 2021.

UNESCO. ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS PARA A EDUCAÇÃO, A CIÊNCIA E A CULTURA. Por uma economia com face mais humana. Brasília: UNESCO, 2003. Disponível em: https://unesdoc.unesco.org/ark:/48223/pf0000130813.locale=en. Acesso em: 10. mar. 2020.

ABMES. Resolução Nº 2, de 24 de abril de 2019. Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Engenharia. Disponível em: https://abmes.org.br/arquivos/legislacoes/Resolucao-CNE-CES-002-2019-04-24.pdf.

TENENTE, L. Após 15 anos, mulheres continuam sendo minoria nos cursos universitários de ciência. G1, [s.l.], 08 mar. 2017. Disponível em: https://g1.globo.com/educacao/noticia/apos-15-anos-mulheres-continuam-sendo-minoria-nos-cursos-universitarios-de-ciencia.ghtml. Acesso em: 10 set. 2020.

TROTMAN, A. Why don’t European girls like science or technology? Microsoft News, 2017. Disponível em: https://news.microsoft.com/europe/features/dont-european-girls-like-science-technology/. Acesso em: 10 set. 2020.

Publicado

2021-10-05

Como Citar

Silva , B. T. da ., Carvalho, F. ., Mondini, F., & Gonçalves, F. A. S. . (2021). EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA COM VISTAS AO ENGAJAMENTO FEMININO NA ÁREA DE STEAM: RELATO DE UMA VIVÊNCIA JUNTO AO GRUPO PETECA DA UNESP - CÂMPUS DE SOROCABA. Vivências, 17(34), 201-212. https://doi.org/10.31512/vivencias.v17i34.532

Edição

Seção

Dossiê: Vivências de Curricularização da Extensão Universitária