INVESTIGAÇÃO-FORMAÇÃO-AÇÃO EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS

ANÁLISE DE CONCEPÇÕES DE ESTUDANTES SOBRE METODOLOGIAS DE ENSINO

Autores

DOI:

https://doi.org/10.31512/vivencias.v17i33.508

Resumo

Este estudo tem como objetivo analisar as compreensões de licenciandos sobre o ensino e as metodologias do ensino em um processo mediado pela Investigação-Formação-Ação em Ciências (IFAC). A pesquisa apresenta uma abordagem qualitativa e documental, sendo que as análises advêm de escritas narrativas produzidas em diários de formação por 14 licenciandos matriculados na Prática enquanto Componente Curricular III (PeCC III) de um curso de Licenciatura em Ciências Biológicas. A análise da pesquisa foi realizada a partir da Análise Textual Discursiva (ATD) e pelos processos de unitarização, categorização e comunicação. A partir da ATD emergiram categorias diferentes, e, com essas ciclos reflexivos que originaram duas espirais reflexivas: A) As concepções de ensino de Ciências no processo de IFAC da PeCC III; B) As metodologias e o ensino de Ciências: concepções e reflexões. A partir dessas espirais, percebemos como o processo de IFAC busca potencializar a formação inicial de professores, uma vez traz elementos como as escritas narrativas, os diálogos formativos e demais reflexões que ocorreram durante a PeCC III, permitindo a construção de concepções e compreensões que acabam desenvolvendo uma postura crítica e propõe reflexões sobre a prática docente.

Biografia do Autor

Larissa Lunardi, Universidade Federal da Fronteira Sul, Cerro Largo, RS, Brasil

Mestra em Ensino de Ciências pela Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS) - Campus Cerro Largo. Licenciada em Ciências Biológicas pelo Instituto Federal Farroupilha - Campus Santa Rosa. Estudante da Especialização em Ensino de Ciências da Natureza, IFFar - Campus Santa Rosa.

Rúbia Emmel, Instituto Federal Farroupilha, Santa Rosa, RS, Brasil

Doutora em Educação nas Ciências pela Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul - UNIJUI. Licenciada em Pedagogia, pela Sociedade Educacional Três de Maio – SETREM. Professora de
Ensino Básico, Técnico e Tecnológico, no Instituto Federal Farroupilha - Campus Santa Rosa

Referências

ALARCÃO, I. Professores reflexivos em uma escola reflexiva. 8 ed. São Paulo: Cortez, 2011.

ALMEIDA, P. C. A.; BIAJONE, J. Saberes docentes e formação inicial de professores: implicações e desafios para as propostas de formação. Educação e Pesquisa, São Paulo, v.33, n.2, p. 281-295, maio/ago. 2007.

BOSZKO, C.; ROSA, C. T. W. Diários Reflexivos: definições e referenciais norteadores. Revista Insignare Scientia, v. 3, p. 18, 2020.

BREMM, D.; SILVA, L. H. A.; GÜLLICH, R. I. C. Experimentação, ciência e ensino: concepções e relações na formação inicial de professores do PETCiências. ReBECEM, Cascavel (PR), v. 4, n. 1, p. 101-123, abr. 2020.

CAMPOS, M. C. C.; NIGRO, R. G. Didática de Ciências: o ensino-aprendizagem como investigação. São Paulo: FTD, 1999.

CARR, W; KEMMIS, S. Teoria Crítica de la enseñanza – la investigación- acción em la formación del profesorado. Barcelona: Martinez Rocca. 1988.

CARVALHO, A. M. P.; GIL-PEREZ, D. Formação de professores de Ciências: tendências e inovações. 10 ed. São Paulo: Cortez, 2011.

CHAVES, S. N. Reencantar a ciência, reinventar a docência. São Paulo: Editora Livraria da Física, 2013.

CONTRERAS, J. D. La investigación en la acción. Cuadernos de Pedagogia, n. 224, Madrid: Morata, p. 7-31, abril 1994.

ELLIOTT, J. La investigación-acción en educación. Madrid: Ediciones Morata, 1990.

EMMEL, R. O currículo e o livro didático da Educação Básica: contribuições para a formação do Licenciando em Ciências Biológicas. 2015. Tese (Pós-Graduação em Educação nas Ciências) - Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul (Campus Ijuí). Ijuí, 2015.

FRACALANZA, H.; AMARAL, I. A.; GOUVEIA, M. S. F. O ensino de ciências no primeiro grau. São Paulo: Atual, 1986.

GASTAL, M. L. A.; AVANZI, M. R. Saber da experiência e narrativas autobiográficas na formação inicial de professores de biologia. Ciência e Educação, Bauru, v. 21, n. 1, p. 149-158, 2015.

GASTAL, M. L.; AVANZI, M. R.; ZANCUL, M. S.; GUIMARÃES, Z. F. S. Da montanha à planície: narrativas e formação de professores de Ciências e Biologia. Revista da SBEnBIO, n. 3, p. 1252-1260, out 2010.

GIANOTTO, D. E. P. Professores de Ciências: o diário de aula como estratégia de reflexão na formação inicial. In: MEGLHIORATTI, F. A.; OLIVEIRA, A. L.; FERRAZ, D. F. (orgs). Reflexões sobre a formação de professores no ensino de Ciências. Cascavel: EDUNIOESTE, 2012, p. 13-36.

GÜLLICH, R. I. C. O livro didático, o professor e o ensino de ciências: um processo de investigação-formação-ação. 2012. Tese. (Pós-Graduação em Educação nas Ciências), Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul, Ijuí, 2012.

KRASILCHIK, M. Prática de Ensino de Biologia. 4. ed. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2016.

LÜDKE, M.; ANDRÉ, M. E. D. A. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU, 1986.

LUNARDI, L.; EMMEL, R. Reminiscências de licenciandos em Ciências Biológicas sobre o ensino de Ciências na Educação Básica. Práxis Educacional, v. 16, n. 43, p. 472-493, 2020.

LUNARDI, L.; EMMEL, R. Entre o passado e o presente: resgatando memórias para compreender as metodologias do ensino de Ciências. Revista Cocar, v. 15, n. 32, p. 1-22. 2021a.

LUNARDI, L.; EMMEL, R. Investigando os motivos para ensinar Ciências às novas gerações. Revista Insignare Scientia - RIS, v. 4, n. 3, p. 3-21. 2021b.

MIZUKAMI, M. G. N. Ensino: as abordagens do processo. São Paulo: EPU, 1986.

MORAES, R. Uma tempestade de luz: a compreensão possibilitada pela análise textual discursiva. Bauru: Ciência e Educação, v.9, n. 2, p. 191-211, 2003.

MORAES, R.; GALIAZZI, M. C. Análise textual discursiva. 3 ed. Ijuí: Editora Unijuí, 2016.

MORAES, R.; RAMOS, M. G. Construindo o conhecimento: uma abordagem para o ensino de Ciências. Porto Alegre: SAGRA, 1988.

MOURA, M. O.; ARAÚJO, E. S.; MORETTI, V. D.; PANOSSIAN, M. L.; RIBEIRO, F. D. Atividade orientadora e ensino: unidade entre ensino e aprendizagem. Rev. Diálogo Educ., Curitiba, v. 10, n. 29, p. 205-229, jan./abr. 2010.

NÓVOA, A. Os professores e as histórias da sua vida. In: NÓVOA, A. Vida de professores. 2. ed. Porto: Porto Editora, 2013. p. 11-30.

PERSON, V. A.; GÜLLICH, R. I. C. Demarcando elementos constitutivos da formação continuada de professores de Ciências. In: BONOTTO, D. L.; LEITE, F. A.; GÜLLICH, R. I. C. (orgs). Movimentos Formativos: desafios para pensar a Educação em Ciências e Matemática. Tubarão: Ed. Copiart, 2016.

POLON, S. A. M. Teoria e metodologia do ensino de Ciências. Paraná: UNICENTRO, 2012.

PORLÁN, R.; MARTÍN, J. El diário del professor: un recurso para investigación en el aula. Diáda: Sevilla, 1997.

RADETZKE, F. S. A docência no ensino superior e a formação continuada dos professores formadores da área de Ciências da Natureza e suas Tecnologias. 2020. Dissertação (Pós-Graduação em Ensino de Ciências) - Universidade Federal da Fronteira Sul, Cerro Largo, 2020.

ROSA, M. I. P. SCHNETZLER, R. P. A investigação-ação na formação continuada de professores de Ciências. Ciência & Educação. v. 9, n. 1, p. 27-39, 2003.

SCHÖN, D. A. Educando o profissional reflexivo: um novo design para o ensino e a aprendizagem. Porto Alegre: Artmed, 2000.

SHULMAN, L. S. Conhecimento e ensino: fundamentos para a nova reforma. Cadernos Cenpec. São Paulo, v. 4, n. 2, p. 196-229, dez. 2014.

SOUSA, R. S.; GALIAZZI, M. C. O jogo da compreensão na análise textual discursiva em pesquisas na educação em ciências: revisitando quebra-cabeças e mosaicos. Ciência & Educação, Bauru, v. 24, n. 3, p. 799-814, 2018.

ZEICHNER, K. M. Uma análise crítica sobre a “reflexão” como conceito estruturante na formação docente. Educ. Soc., Campinas, v. 29, n. 103, p. 535-554, maio/ago. 2008.

Publicado

2021-06-21

Como Citar

Lunardi, L., & Emmel, R. (2021). INVESTIGAÇÃO-FORMAÇÃO-AÇÃO EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS: ANÁLISE DE CONCEPÇÕES DE ESTUDANTES SOBRE METODOLOGIAS DE ENSINO. Vivências, 17(33), 139-154. https://doi.org/10.31512/vivencias.v17i33.508

Edição

Seção

ARTIGOS DE FLUXO CONTÍNUO