ESTUDO GENÉTICO-POPULACIONAL DOS SISTEMAS SANGUÍNEOS ABO E RH DE ALUNOS DO ENSINO MÉDIO DE PARANAÍTA, MATO GROSSO

Autores

DOI:

https://doi.org/10.31512/vivencias.v17i33.445

Resumo

Resumo: O conhecimento sobre os tipos sanguíneos ABO e Rh é muito relevante para casos de atendimento emergencial e aconselhamento sobre a doença hemolítica perinatal (DHP), bem como para a conscientização quanto à importância da doação de sangue.  Considerando que, em Mato Grosso, a lei nº 9.905, de 06 de maio de 2013, determina que as escolas incluam informações sobre os tipos sanguíneos dos alunos na ficha de matrícula, este trabalho teve por objetivo realizar o estudo genético-populacional dos sistemas sanguíneos ABO e Rh de alunos do ensino médio da Escola Estadual João Paulo I, Paranaíta, Mato Grosso. Para obtenção dos dados, os alunos responderam anonimamente à um questionário com quatro questões fechadas. As respostas foram tabuladas e, a partir delas, foram obtidas as frequências fenotípicas, alélicas e genotípicas. Dentre os alunos que souberam informar o grupo sanguíneo, predominam os grupos sanguíneos A+ e O+, com 30,5% cada, seguidos dos indivíduos portadores de sangue O- (16,90%), considerado doador universal. Também foi possível identificar que, aproximadamente, 16% dos indivíduos do gênero feminino são Rh-, demonstrando a necessidade de que as escolas trabalhem os temas relacionados aos tipos sanguíneos, levando em consideração as problemáticas decorrentes da incompatibilidade sanguínea, seja em transfusão seja materno-fetal, bem como a importância da doação de sangue.

Palavras-chave: Doença Hemolítica Perinatal. Frequência Genotípica. Genética Populacional. Transfusões Sanguíneas.

Biografia do Autor

Giovana Cuchi, Universidade do Estado de Mato Grosso Carlos Alberto Reyes Maldonado, Cáceres, MT, Brasil

Graduanda em Ciências Biológicas pela Universidade do Estado de Mato Grosso Carlos Alberto Reyes Maldonado (UNEMAT)

Elisa dos Santos Cardoso, Universidade do Estado de Mato Grosso Carlos Alberto Reyes Maldonado, Cáceres, MT, Brasil.

Professora da Rede Estadual de Educação do Estado de Mato Grosso. Licenciada em Ciências Biológicas pela Universidade do Estado de Mato Grosso (UNEMAT) e Licenciada em Química pelo Instituto Federal de Mato Grosso (IFMT). Especialista em Biologia Geral pela Universidade Federal de Lavras (UFLA) e mestre em Biodiversidade e Agroecossistemas Amazônicos pelo PPGBioAGRO da Universidade do Estado de Mato Grosso, campus de Alta Floresta. Doutoranda em Biodiversidade e Biotecnologia da Rede Bionorte/UNEMAT.

Ana Aparecida Bandini Rossi, Universidade do Estado de Mato Grosso Carlos Alberto Reyes Maldonado, Cáceres, MT, Brasil

Graduada em Ciências Biológicas pela Universidade do Estado de Mato Grosso (1996), mestrado em Botânica pela Universidade Federal de Viçosa (2003) e doutorado em Genética e Melhoramento pela Universidade Federal de Viçosa (2007). Atualmente é professora adjunta da Universidade do Estado de Mato Grosso (UNEMAT). Tem experiência na área de Biologia Geral, com ênfase em Genética Vegetal, Biologia Molecular e Biologia da Conservação, atuando principalmente nos seguintes temas: Aspectos Reprodutivos e Diversidade Genética em espécies Vegetais Nativas e Cultivadas e conservação dos Recursos Naturais. Participa como orientadora dos Programas de Pós Graduação: Mestrado em Biodiversidade e Agroecossistemas Amazônicos, Genética e Melhoramento de Plantas e do Doutorado Biodiversidade e Biotecnologia da Amazônia Legal, da Rede Bionorte/UNEMAT.

Luciane Karina Karina Gorini, Universidade do Estado de Mato Grosso Carlos Alberto Reyes Maldonado, Cáceres, MT, Brasil.

Possui graduação em CIÊNCIAS FÍSICAS E BIOLÓGICAS pela Universidade do Estado de Mato Grosso (2003) e turismo pela FASIPE -FACULDADE DE SINOP E EXTENSÕES (2012),especialização em EDUCAÇÃO INCLUSIVA pela instituição SALGADO DE OLIVEIRA (2005) e especialização em EDUCAÇÃO AMBIENTAL pela Universidade do Estado de Mato Grosso (2013). Atualmente professora DE BIOLOGIA da ESCOLA ESTADUAL JOÃO PAULO I (INTEGRAL). MESTRANDA em PROGRAMA NACIONAL em MESTRADO PROFISSIONAL do ENSINO de BIOLOGIA em REDE NACIONAL.

Referências

ANVISA. 6º Boletim de Produção Hemoterápica: Hemoprod 2017. 6. ed. Brasília, 2018. Disponível em: https://www.gov.br/anvisa/pt-br/centraisdeconteudo/publicacoes/sangue-tecidos-celulas-e-orgaos/producao-e-avaliacao-de-servicos-de-hemoterapia/6deg-boletim-de-producao-hemoterapica-2018.pdf/view. Acesso em: 02 abr. 2020.

ARRUDA, E. H. P.; ORTIZA, T.A.; PINHEIRO, D.O. Importância do autoconhecimento dos grupos sanguíneos (ABO e Rh) de alunos de Tangará da Serra-MT. ‎ JHealthSci, v.15, n.3, p.199-202, 2013. Disponível em: https://doi.org/10.17921/2447-8938.2013v15n3p%25p. Acesso em: 20 jan. 2021.

BATISTETI, C. B.; CALUZI, J. J.; ARAÚJO, E. S. N. de; LIMA, S. G. O sistema de grupo sanguíneo Rh. Filos. Hist. Biol., v. 2, p. 85-101, 2007. Disponível em: http://www.abfhib.org/FHB/FHB-02/FHB-v02-06-Caroline-Batistete-et-al.pdf. Acesso em: 06 abr. 2020.

BEIGUELMAN, B. Curso prático de bioestatística. 3. ed. Ribeirão Preto: Revista Brasileira de Genética, 1994. 244 p.

BEIGUELMAN, B. A interpretação genética da variabilidade humana. Ribeirão Preto: SBG, 2008. 155 p. Disponível em: https://www.sbg.org.br/sites/default/files/a_interpretacao_genetica_da_variabilidade_humana.pdf. Acesso em: 23 maio 2020.

BORTOLOTTO, A. N. S. Prevalência e Fenotipagem Eritrocitária em doadores de sangue no Hemocentro Regional de Santa Maria. 2011. 83 f. Dissertação (Mestrado em Ciências Farmacêuticas) - Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, 2011. Disponível em: http://repositorio.ufsm.br/handle/1/5957. Acesso em: 15 maio 2020.

DAMACENA, M. I. S. dos. Frequência Fenotípica, Alélica e Genotípica dos Grupos Sanguíneos ABO e Rh entre os moradores da comunidade Novo Cruzeiro, Alta Floresta/MT. 2019. 35 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação) - Universidade do Estado de Mato Grosso Carlos Alberto Reyes Maldonado, Alta Floresta, 2019.

DANIELS, G. Human blood groups. 2. ed. Oxford: Blackwell Science, 2002. 560 p.

FALCONER, D. S. Introduction to quantitative genetics. 4th ed. Harlow: Longmans Green, 1990, 438p.

FRIDMAN, C. Replicação de DNA, genótipo/genótipo e herança quantitativa. Genética e Bioestatística. [S.I.][2013?]. Disponível em: https://midia.atp.usp.br/plc/plc0030/impressos/plc0030_top03.pdf. Acesso em 19 maio 2020.

HALL, J. E. Guyton y Hall. Tratado de fisiologia médica. 12. ed. Elsevier Health Sciences, 2011. 1151 p.

INÁCIO, J. C.; GATTI, L. L. Doença Hemolítica Perinatal: Um levantamento dos aspectos imunológicos. In: CONGRESSO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA, 7., 2008, Ourinhos. Anais eletrônicos[...]. Ourinhos: UNIFIO, 2008. Disponível em: http://www.cic.fio.edu.br/anaisCIC/anais2008/Artigos/Ciencias_Biologicas/020-DOENCA.pdf. Acesso em: 23 maio 2020.

LIMA, T. M. de; BUENO, F. V.; LOPES, A. B. P.; MORAES, I. de; MARCHESINE, J. F.; FARIA, M. F. R. de; GONÇALVES, S. R.; CRUZ, L. C. da; LONER, F.; SIMÃO, R. A.; RIBEIRO, B. F. Frequência dos grupos sanguíneos do sistema ABO entre indivíduos participantes da Feira de Responsabilidade Social realizada no Centro Universitário Amparense em 2015. Saúde em Foco, p. 729-741, 2016. Disponível em: http://portal.unisepe.com.br/unifia/wp-content/uploads/sites/10001/2018/06/070_frequencia_grupos_sanguineos_abo.pdf. Acesso em: 15 maio 2020.

LOBO, G. A. R. O desfecho perinatal da Aloimunização Eritrocitária não-relacionada ao antígeno Rhd. 2007. 81f. Tese (Mestrado) - Universidade Federal de São Paulo, São Paulo, 2007. Disponível em: https://core.ac.uk/download/pdf/37726867.pdf. Acesso em: 22 maio 2020.

MATO GROSSO. Lei nº 9.905, de 06 de maio de 2013. Dispõe sobre a obrigatoriedade da inscrição do grupo sanguíneo e do fator RH nas fichas escolares dos alunos da rede de ensino público e particular do Estado de Mato Grosso, e dá outras providências. Diário Oficial do Estado de Mato Grosso, Cuiabá, 2013. Disponível em: https://www.iomat.mt.gov.br/portal/visualizacoes/pdf/3407/#/p:2/e:3407?find=%22LEI%20N%C2%BA%209.905,%20DE%2006%20DE%20MAIO%20DE%202013%22. Acesso em: 23 mar. 2020.

MATO GROSSO. Lei nº 10.622, de 24 de Outubro de 2017. Institui o Projeto Escola Plena, vinculado ao Programa Pró-Escolas, no âmbito da Secretaria de Estado de Educação, Esporte e Lazer - SEDUC, e dá outras providências. Diário Oficial do Estado de Mato Grosso, Poder Executivo, Cuiabá, 2017. Disponível em: https://www.iomat.mt.gov.br/portal/visualizacoes/pdf/15013/#/p:1/e:15013?find=%22LEI%20N%C2%BA%2010.622,%20DE%2024%20DE%20OUTUBRO%20DE%202017%22. Acesso em: 23 maio 2020.

NARDOZZA, L. M. M.; SZULMAN, A.; BARRETO, J. A.; ARAUJO JUNIOR, E.; MARON, A. F. Bases moleculares do sistema RJ e suas aplicações em obstetrícia e medicina transfusional. Rev. Assoc. Med. Bras., v.56, n.6, p.724-728, 2010. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0104-42302010000600026. Acesso em: 02 dez. 2020.

NEVES, D. R.; VIEIRA, E. C. S.; CARVALHO, E. M.; SILVA, R. A. da; MENDES, S. O.; MEDEIROS, M. O. Mapeamento do sistema de grupos sanguíneos ABO em Rondonópolis MT. Biodiversidade, v. 3, n. 2, p. 48-55, 2014. Disponível em: http://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/biodiversidade/article/view/1955. Acesso em: 26 jun. 2019.

NEVES, D. R.; CARVALHO, E. M.; SILVA, R. A. da.; MENDES, S. O.; ALVES, S. M.; MEDEIROS, S. O. Estudo Genético-Populacional dos Sistemas de Grupos Sanguíneos ABO e Rh dos doadores de sangue em Rondonópolis – MT. Biodiversidade, v. 14, n. 2, p. 134-142, 2015. Disponível em: http://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/biodiversidade/article/view/2900. Acesso em: 20 abr. 2020.

NOVARETTI, M. C. Z.; DORLHIAC-LLACER, P.E.; CHAMONE, D.A.F. Estudo de grupos sanguíneos em doadores de sangue caucasóides e negróides na cidade de São Paulo. Rev. Bras. Hematol. Hemoter., v. 22 n. 1, p. 23-32, 2000. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S1516-84842000000100004. Acesso em: 08 nov. 2020.

PEREIRA, I. T. F.; SANTOS, W. H. L. dos.; PINHEIRO, R. S.; SILVA, V. L. M. Análise das Frequências Alélicas e Genotípicas dos grupos sanguíneos ABO e Rh em uma Amostra de São Luís-MA –Brasil. In: CONGRESSO NACIONAL DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA, 6.; ENCONTRO DE ATIVIDADES CIENTÍFICAS DA UNOPAR, 15., 2012, Londrina. Anais eletrônicos[...]. Londrina: UNOPAR, 2012. Disponível em: http://repositorio.pgsskroton.com/bitstream/123456789/162/1/AN%C3%81LISE%20DAS%20FREQU%C3%8ANCIAS%20%20AL%C3%89LICAS.pdf. Acesso em: 17 abr. 2020.

SANTOS, R. F.; BORDIN, R. O.; ALVES, S. M.; MEDEIROS, M. O. Frequência Fenotípica, Alélica e Genotípica dos Grupos Sanguíneos ABO e Rh segundo os doadores da Unidade de Coleta e Transfusão "Dr. Marcio Curvo de Lima" Polo de Rondonópolis, MT no período de janeiro à dezembro de 2015. Biodiversidade, v. 17, n. 2, p. 102-114, 2018. Disponível em: http://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/biodiversidade/article/view/7077. Acesso em: 23 abr. 2020.

SILVA, A. G. S.; MOREIRA, H. D. M.; CAVALCANTE, A. N.; FERREIRA, M. S.; MORAES, G. C.; CANTANHEDE, S. P. D.; SILVA-SOUZA, N.; TCHAICKA, L. Frequências Fenotípicas e Alélicas dos Sistemas ABO e Rh na Região Centro-Norte do Estado do Maranhão, Brasil. Pesquisa em Foco. p. 39-52. 29 jun. 2015. Disponível em: https://45.71.6.41/index.php/PESQUISA_EM_FOCO/article/view/783. Acesso em: 11 jan. 2021.

SILVA, J. R. O., RAMOS, A.C.S.; REIS, A.C.S. Prevalência de grupos sanguíneos em um laboratório de Aracaju/SE. In: SEMANA DE PESQUISA DA UNIVERSIDADE TIRADENTES, 18., 2016. Aracajú. Anais eletrônicos[...]. Aracajú: Unit, 2016. Disponível em: https://eventos.set.edu.br/index.php/sempesq/article/view/3734. Acesso em: 15 maio 2020.

SOUSA, C. K. L. de; Frequência da classificação sanguínea no Laboratório de Análises clínicas (LAC) do Hospital Distrital de Itaporanga (HDI) Paraíba. 2012. 17f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação) Universidade Estadual da Paraíba. Campina Grande, 2012. Disponível em: http://dspace.bc.uepb.edu.br/jspui/bitstream/123456789/2747/1/PDF%20-%20Clistenes%20Klayton%20Leite%20de%20Sousa.pdf. Acesso em: 15 maio 2020.

Publicado

2021-06-21

Como Citar

Cuchi, G., Cardoso, E. dos S., Rossi, A. A. B. ., & Karina Gorini, L. K. (2021). ESTUDO GENÉTICO-POPULACIONAL DOS SISTEMAS SANGUÍNEOS ABO E RH DE ALUNOS DO ENSINO MÉDIO DE PARANAÍTA, MATO GROSSO. Vivências, 17(33), 155-167. https://doi.org/10.31512/vivencias.v17i33.445

Edição

Seção

ARTIGOS DE FLUXO CONTÍNUO