ABORDAGEM DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM DOIS FILMES COMERCIAIS DE ANIMAÇÃO

Autores

DOI:

https://doi.org/10.31512/vivencias.v17i33.425

Resumo

É importante discutir sobre Educação Ambiental (EA) nas escolas, por esta ser um espaço de conviver, aprender, compreender e de desenvolver o pensamento crítico dos alunos sobre os cuidados com o meio em que vivemos. Dessa maneira, um caminho para promover a sensibilização pode ser a partir do uso de filmes comerciais que abordam as questões ambientais, contribuindo com as discussões e reflexões sobre a EA. Este trabalho tem como objetivo analisar dois filmes comerciais de animação, buscando identificar que representações de EA estão presentes nesse recurso e verificar como os filmes podem ser usados no Ensino de Ciências para abordar as questões ambientais. Esta é uma pesquisa qualitativa em Educação, na qual buscou-se nos filmes: A Era do Gelo 2 e O Lorax: Em Busca da Trúfula Perdida a presença das questões ambientais, a fim de identificar as três categorias de representação ambiental: naturalista, globalizante e antropocêntrica de análise. Sabemos que é crescente a influência da tecnologia na vida do ser humano, a partir disso é importante pensarmos nas tecnologias de informação e de comunicação como ferramenta a favor do ensino, usando-as como recurso pedagógico. Nesse sentido, o uso de filmes comerciais de animação pode contribuir com o desenvolvimento de diferentes estratégias de EA no ambiente escolar, estimulando novos caminhos para se chegar ao conhecimento, a conscientização, sensibilização e da busca pela mudança de comportamento frente aos problemas ambientais.

Biografia do Autor

Vanusa Zimmer de Moura, Universidade Federal da Fronteira Sul, Cerro Largo, RS, Brasil

Licenciada em Ciências Biológicas pela Universidade Federal da Fronteira Sul, campus Cerro Largo/RS, foi bolsista PIBIDCIÊNCIAS BIOLÓGICAS (2016) e bolsista do Programa Residência Pedagógica Multidisciplinar (2018-2020).

Eliane Gonçalves dos Santos, Universidade Federal da Fronteira Sul, Cerro Largo, RS, Brasil

Licenciada em Ciências Biológicas pela Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões (2002). Especialização em Interdisciplinaridade pela FACIPAL (2003). Mestrado em Ensino Científico e Tecnológico (2011) pela URI. Doutora em Educação nas Ciências (UNIJUÍ), com período sanduíche na Universidade do Minho (Braga, Portugal). Já atuou como professora da Educação Básica. Atualmente professora de Prática de Ensino e Estágio Supervisionado em Ciências e Biologia da Universidade Federal da Fronteira Sul - Campus Cerro Largo e docente do Programa de Programa de Pós-graduação no Ensino de Ciências (PPGEC), atuando na pesquisa, extensão e docência, principalmente nos temas: formação inicial e continuada de professores, cinema e o ensino de ciências/biologia, educação em saúde, práticas pedagógicas, história da ciência e concepções de ciência, Metodologias de ensino. Coordenou o PIBID/CAPES, Subprojeto Ciências Biológicas, Residência Pedagógica/CAPES, Subprojeto Multidisciplinar 2018/2020 e atualmente coordena o Residência Pedagógica, Subprojeto Biologia, Física, Química. Membro do grupo de pesquisa GEPECIEM.

Referências

ALBUQUERQUE, M. de J. F. C. Educação Ambiental e EJA: Percepção dos alunos sobre o ambiente. Educação Ambiental em Ação, n. 42, jan. 2011. Disponível em: http://www.revistaea.org/artigo.php?idartigo=1402&fbclid=IwAR2LdrAovRtoGs8DSvZ6jzIpMUVhpsgc4KvUQLhJzeA-3VOC-5HPNZPse-U. Acesso em: 12 jun. 2019.

ANDRADE, L. L. S.; SCARELI, G.; ESTRELA, L. R. As animações no processo educativo: um panorama da história da animação no Brasil. In: VI Colóquio Internacional de Educação EDUCON, São Cristóvão. Anais... São Cristóvão, SE: Universidade Federal do Sergipe, 2012. Disponível em: http://educonse.com.br/2012/eixo_08/pdf/52.pdf. Acesso em: 15 dez. 2020.

AUTOR, 2011.

AUTOR, 2018.

BALESTRIN, P. A. O corpo rifado. 2011. 178 f. Tese (Doutorado em Educação) - Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2020. Disponível em: http://repositorio.minedu.gob.pe/bitstream/handle/123456789/756/2012_Balestrin_O%20corpo%20rifado.pdf?sequence=1&isAllowed=y. Acesso em: 26 jun. 2019.

BOER, N. Educação ambiental e visões de mundo: uma análise pedagógica e epistemológica. 2007. 216 f. Tese (Doutorado em Educação Científica e Tecnológica) - Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2007.

BRASIL. Lei nº 9.795. Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências. Brasília-DF: Diário Oficial da União, de 27 de abril de 1999. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9795.htm. Acesso em: 11 jun. 2019.

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE – CONAMA. Critérios básicos e diretrizes gerais para a avaliação de impacto ambiental. Resolução nº 001, de 23 de janeiro de 1986.

FRIEDRICH, S. P. O cinema como tecnologia educacional: Contribuições para a educação ambiental. 2012. p. 68 f. Dissertação (Mestrado em Ensino Científico e Tecnológico) - Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões, Santo Ângelo - RS, 2012. Disponível em: http://www.urisan.tche.br/admin/upload/SIMONI.pdf. Acesso em: 16 mar. 2019.

LEITE, J. C. Do mistério das eras do gelo às mudanças climáticas abruptas. Scientiae Studia. v.13, n. 4, São Paulo, p. 811-839, 2015.

LÜDKE, M.; ANDRÉ, M. E. D. A. Pesquisa em Educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU, 2011.

MOUSINHO, P. Glossário. In: TRIGUEIRO, A. (org.). Meio ambiente no século 21. Rio de Janeiro: Sextante, 2003. Disponível em: http://www.mma.gov.br/educacaoambiental/politica-de-educacao-ambiental. Acesso em: 18 jun. 2019.

NAPOLITANO, M. Como usar o cinema em sala de aula. 4. ed. São Paulo: Contexto, 2005.

RAMOS. P. E. O professor frente às novas tecnologias de informação e comunicação. 2014. Disponível em: http://www2.seduc.mt.gov.br/-/o-professor-frenteas-novas-tecnologias-de-informacao-e-comunicac-1. Acesso em: 20 maio 2019.

REIGOTA, M. Meio Ambiente e Representação Social. 8. ed. São Paulo: Cortez, 2010.

_______. Desafios à educação ambiental escolar. In: JACOBI, P. et al. (orgs.). Educação, meio ambiente e cidadania: reflexões e experiências. São Paulo: SMA, 1998. p. 43-50.

_______. Meio ambiente e representação social. São Paulo: Cortez, 1995.

SATO, M. Educação Ambiental. São Carlos: Rima, 2002.

SCHEID, N. M. J. Contribuições do Cinema na Formação Inicial de Professores de Ciências Biológicas. Vivências, Erechim, v. 04, n. 06, outubro/2008. Disponível em: http://www.reitoria.uri.br/~vivencias. Acesso em 04 jul. 2020.

SIQUEIRA, Denise da Costa Oliveira. O cientista na animação televisiva: discurso, poder e representações sociais. Em questão. Porto Alegre. v. 12, n. 1. jan/jun 2006. p. 131. Disponível em: http://seer.ufrgs.br/EmQuestao/article/view/14/4. Acesso em: 25 de jan. 2020.

WOLFF, N. M. O. Filmes de animação infantil como ferramenta de educação ambiental. 2013. p. 42 f. Monografia (Especialização) - Universidade Federal da Fronteira Sul, Cerro Largo/RS, 2013. Disponível em: https://rd.uffs.edu.br/bitstream/prefix/264/1/WOLFF.pdf. Acesso em: 16 mar. 2019.

Publicado

2021-06-21

Como Citar

Moura, V. Z. de, & Santos, E. G. dos . (2021). ABORDAGEM DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM DOIS FILMES COMERCIAIS DE ANIMAÇÃO. Vivências, 17(33), 195-211. https://doi.org/10.31512/vivencias.v17i33.425

Edição

Seção

ARTIGOS DE FLUXO CONTÍNUO