PREVALÊNCIA DE DESVIOS POSTURAIS, NÍVEL DE FLEXIBILIDADE E DE FORÇA/RESISTÊNCIA MUSCULAR EM ADOLESCENTES ESCOLARES DE XANXERÊ/SC

Autores

DOI:

https://doi.org/10.31512/vivencias.v17i33.373

Resumo

O objetivo do estudo foi verificar a prevalência de desvios posturais nos adolescentes escolares de Xanxerê-SC e sua associação com os níveis de força/resistência abdominal e flexibilidade.  A amostra foi composta por 71 escolares de 12 a 15 anos de idade, sendo 37 do sexo masculino e 34 do sexo feminino. A avaliação postural foi realizada por meio de análise de registro fotográfico nos planos frontal (anterior e posterior) e sagital (direita e esquerda), utilizando o simetrógrafo digital (Physical test 8.0). A força-resistência abdominal foi determinada teste de abdominais em 1 minuto e a flexibilidade pelo teste de sentar e alcançar. Para análise dos dados foi utilizada a estatística descritiva, o teste t de student para amostra independentes e o teste qui-quadrado. Em relação à prevalência dos desvios posturais, 38% dos escolares apresentaram algum tipo de desvio postural, sendo maior no sexo masculino (43,2%) em relação ao sexo feminino (32,4%). Os desvios mais frequentes entre os participantes do estudo foram a hiperlordose (18,3%) e a escoliose (16,7%). No sexo masculino, a escoliose (21,6%) foi mais frequente, enquanto que nas meninas, o desvio postural mais frequente foi a hiperlordose (17,6%). Também foi observada a associação (p<0,05) da zona de risco da força-resistência abdominal com a presença desvios posturais, no sexo masculino. Desta forma, conclui-se que a má postura dos adolescentes escolares da rede pública de ensino do município de Xanxerê, que participaram do estudo, está associada à baixa força-resistência muscular, podendo comprometer progressivamente a saúde da coluna vertebral.

Biografia do Autor

Sandro Claro Pedrozo, Universidade do Oeste de Santa Catarina, Xanxerê, Santa Catarina, Brasil

Mestre em Biociências e Saúde pela Universidade do Oeste de Santa Catarina, Joaçaba, Santa Catarina, Brasil.

Kadija Sartori, Universidade do Oeste de Santa Catarina, Xanxerê, Santa Catarina, Brasil

Licenciada em Educação Física pela Universidade do Oeste de Santa Catarina, Xanxerê, Santa Catarina, Brasil.

Tiago Bordignon, Universidade do Oeste de Santa Catarina, Xanxerê, SC, Brasil

Acadêmico do curso de Bacharelado em Educação Física, na Universidade do Oeste de Santa Catarina, Santa Catarina, Brasil.

 

Mateus Augusto Bim, Universidade do Estado de Santa Catarina, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil

Doutorando em Ciências do Movimento Humano pela Universidade do Estado de Santa Catarina, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil.

Referências

ALMEIDA, Tathiane Tavares de; JABUR, Marcelo Nogueira. Mitos e verdades sobre flexibilidade: reflexões sobre o treinamento de flexibilidade na saúde dos seres humanos. Motricidade, v. 3, n. 1, p. 337-344, 2007.

BRACCIALLI, Lígia Maria Presumido; VILARTA, Roberto. Aspectos a serem considerados na elaboração de programas de prevenção e orientação de problemas posturais. Rev paul educ fís, v. 14, n. 2, p. 159-71, 2000.

CARNAVAL, Paulo Eduardo. Medidas e Avaliação em ciências do esporte. 5. Ed. Rio de Janeiro: Sprint, 2008.

CONTREIRA, Andressa Ribeiro et al. Perfil de aptidão fisica relacionada a saude em adolescentes. Saúde e Pesquisa ISSN 2176-9206, v. 9, n. 2, p. 309-315, 2016.

COSTA, Renata et al. Patologias relacionadas à má postura em ambiente escolar-revisão de literatura. Revista Perspectiva: Ciência e Saúde, v. 3, n. 2, 2018.

CZAPROWSKI, Dariusz et al. Non-structural misalignments of body posture in the sagittal plane. Scoliosis and spinal disorders, v. 13, n. 1, p. 6, 2018.

DORNELES, Rui Carlos Gomes et al. Indicadores de flexibilidade e força/resistência muscular e a triagem de dor lombar em adolescentes. Revista Brasileira de Cineantropometria & Desempenho Humano, v. 18, n. 1, p. 93-102, 2016.

EVCIK, Deniz; YÜCEL, Aylin. Lumbar lordosis in acute and chronic low back pain patients. Rheumatology international, v. 23, n. 4, p. 163-165, 2003.

FELDMAN, Debbie Ehrmann et al. Risk factors for the development of low back pain in adolescence. American journal of epidemiology, v. 154, n. 1, p. 30-36, 2001.

FERRARI, Gerson Luis de M. et al. Influência da maturação sexual na aptidão física de escolares do município de Ilhabela-um estudo longitudinal. Revista Brasileira de Atividade Física & Saúde, v. 13, n. 3, p. 141-148, 2008.

GAYA, Adroaldo; GAYA, Anelise Reis. Projeto Esporte Brasil: manual de testes e avaliação versão 2016. Porto Alegre. UFRGS, p. 78, 2016.

GONZALEZ-GALVEZ, Noelia; GEA-GARCIA, Gemma M.; MARCOS-PARDO, Pablo J. Effects of exercise programs on kyphosis and lordosis angle: A systematic review and meta-analysis. PloS one, v. 14, n. 4, 2019.

KASTEN, Ana Paula et al. Prevalence of postural deviations in the spine in schoolchildren: a systematic review with meta-analysis. Journal of Human Growth and Development, v. 27, n. 1, p. 99-108, 2017.

KENDALL, Florence Peterson. et al. Músculos: provas e funções: 5.ed. São Paulo. 2007.

LARIVIÈRE, Christian et al. Revisitando o efeito da manipulação da estabilidade lombar com magnitudes e posições de carga: O efeito do sexo na ativação muscular do tronco. Jornal de Eletromiografia e Cinesiologia , v. 46, p. 55-62, 2019.

LEMES, Vanilson Batista et al. Preferências De Atividade Física E Esportes Para Escolares No Ensino Fundamental. Rev Kines, v. 34, p. 3-16, 2016.

LEMOS, Adriana Torres de; SANTOS, Fábio Rosa dos; GAYA, Adroaldo Cezar Araujo. Hiperlordose lombar em crianças e adolescentes de uma escola privada no Sul do Brasil: ocorrência e fatores associados. Cadernos de Saúde Pública, v. 28, n. 4, p. 781-788, 2012.

LIMA, Tiago Rodrigues de et al. Association of flexibility with sociodemographic factors, physical activity, muscle strength, and aerobic fitness in adolescents from southern brazil. Revista Paulista de Pediatria, v. 37, n. 2, p. 202-208, 2019.

MACEDO, Rosângela Aparecida Bertocco et al. Componentes da aptidão física e sua relação com a dor lombar inespecífica em adolescentes escolares do colégio de aplicação-acre, Brasil. FIEP Bulletin, v 84, 2014.

MEZIAT FILHO, Ney; COUTINHO, Evandro Silva; SILVA, Gulnar Azevedo. Association between home posture habits and low back pain in high school adolescents. European Spine Journal, v. 24, n. 3, p. 425-433, 2015.

NISSINEN, Maunu J. et al. Development of trunk asymmetry in a cohort of children ages 11 to 22 years. Spine, v. 25, n. 5, p. 570-574, 2000.

OLIVEIRA, Vinícius da Silva Lessa de et al. Fatores predisponentes para alterações posturais em escolares-uma revisão da literatura. Revista Perspectiva: Ciência e Saúde, v. 3, n. 2, 2018.

PEREIRA, Thamiris Mendes et al. Orientação Postural na Escola: uma Proposta de Material Educativo para Estudantes do Ensino Fundamental. Saúde em Foco, p. 46-63, 2018.

PETROSKI, Edio Luiz et al. Aptidão física relacionada a saúde em adolescentes brasileiros residentes em áreas de médio/baixo índice de desenvolvimento humano. Revista de Salud Pública, v. 13, p. 219-228, 2011.

PORCARI, John P. et al. The effects of neuromuscular electrical stimulation training on abdominal strength, endurance, and selected anthropometric measures. Journal of sports science & medicine, v. 4, n. 1, p. 66, 2005.

POTTHOFF, Tobias et al. A systematic review on quantifiable physical risk factors for non-specific adolescent low back pain. Journal of pediatric rehabilitation medicine, v. 11, n. 2, p. 79-94, 2018.

SANTOS, Rute et al. Physical fitness percentiles for Portuguese children and adolescents aged 10–18 years. Journal of Sports Sciences, v. 32, n. 16, p. 1510-1518, 2014.

SEDREZ, Juliana Adami et al. Fatores de risco associados a alterações posturais estruturais da coluna vertebral em crianças e adolescentes. Revista Paulista de Pediatria, v. 33, n. 1, p. 72-81, 2015.

VENCKUNAS, Tomas et al. Secular trends in physical fitness and body size in Lithuanian children and adolescents between 1992 and 2012. J Epidemiol Community Health, v. 71, n. 2, p. 181-187, 2017.

Publicado

2021-06-21

Como Citar

Pedrozo, S. C., Sartori, K., Bordignon, T., & Bim, M. A. (2021). PREVALÊNCIA DE DESVIOS POSTURAIS, NÍVEL DE FLEXIBILIDADE E DE FORÇA/RESISTÊNCIA MUSCULAR EM ADOLESCENTES ESCOLARES DE XANXERÊ/SC. Vivências, 17(33), 57-67. https://doi.org/10.31512/vivencias.v17i33.373

Edição

Seção

ARTIGOS DE FLUXO CONTÍNUO