DISCENTES OU DOCENTES? ANALISANDO O IMPACTO DAS ATIVIDADES DE EXTENSÃO COMO COMPLEMENTAÇÃO DO PROCESSO DE ENSINO/APRENDIZAGEM EM ACADÊMICOS DO CURSO DE OCEANOGRAFIA

Autores

  • Katia Naomi Kuroshima Universidade do Vale do Itajaí, Itajaí, SC, Brasil
  • Ana Lucia Berno Bonassina Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Paraná, Curitiba, PR, Brasil

DOI:

https://doi.org/10.31512/vivencias.v17i34.270

Resumo

O desafio de fortalecer uma educação ambiental convergente e multirreferencial caracteriza-se como prioridade para viabilizar uma prática educativa que articule de forma incisiva a necessidade de se enfrentar, ao mesmo tempo, a degradação ambiental e os problemas sociais. A Extensão Universitária se coloca como uma possível ferramenta para se trabalhar essas problemáticas contemporâneas. Assim sendo, este trabalho tem por objetivo analisar o impacto das atividades de extensão como complementação do processo de ensino/aprendizagem em acadêmicos de um curso de Oceanografia, em que pretende-se verificar suas percepções acerca de um projeto de extensão, bem como averiguar o aprendizado proporcionado por ele. Para a concretização deste artigo realiza-se uma pesquisa bibliográfica, aliada à uma investigação do processo descritivo e qualitativo. O trabalho é baseado nas práticas de um Projeto de Extensão Universitário realizado no ano de 2018, em parceria com uma universidade do sul do país e um instituto da mesma região. O número amostral é de 211 (duzentos e onze) participantes. A pesquisa demonstrou a importância do projeto de extensão no processo de ensino/aprendizagem dos acadêmicos e demonstrou que há a necessidade de um árduo trabalho de pesquisa e uma comunicação eficaz para traduzir o que é proposto na extensão, de forma a possibilitar uma sinergia entre a tríade pesquisa/ensino/extensão.

Biografia do Autor

Katia Naomi Kuroshima, Universidade do Vale do Itajaí, Itajaí, SC, Brasil

Possui graduação em Oceanologia pela Universidade Federal do Rio Grande (1990), mestrado em Geociências (Geoquímica) pela Universidade Federal Fluminense (1995) e doutorado em Química pela Universidade Federal de Santa Catarina (2002). Atualmente é professor adjunto da Universidade do Vale do Itajaí. Tem experiência na área de Química, com ênfase em Química dos Produtos, Qualidade Química de Águas e Popularização da Ciência; atuando principalmente nos seguintes temas: produtos naturais marinhos, qualidade de água, nutrientes inorgânicos, monitoramento ambiental, educação ambiental, popularização da ciência. A partir de 2002 começou a atuar nos colegiados dos cursos de Oceanografia e Engenharia Ambiental, além de diversas comissões formadas para a Alteração da Matriz Curricular, o Reconhecimento do Curso, a Renovação do Reconhecimento do Curso e Comissão de Análise de equivalência de estudos em oceanografia em instituições exteriores. Em 2006 ocupou o cargo de Chefe da Seção Pedagógica do CTTMar e, em 2007, a Coordenação Acadêmica do CTTMar. Entre 2011 e 2018 atuou como coordenadora do Curso de Graduação de Oceanografia da UNIVALI. Atualmente desenvolve projetos de Pesquisa e Extensão nas áreas especializadas.
Instituição: Universidade do Vale do Itajaí (Univali)
Itajaí - Santa Catarina - Brasil  

Ana Lucia Berno Bonassina, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Paraná, Curitiba, PR, Brasil

Biografia: Possui graduação em Bacharelado em Informática pelo Centro Universitário Positivo (1995), graduação em Pedagogia pela Universidade Luterana do Brasil (2011), mestrado em Educação pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná (2008) e doutorado no programa Ciência e Tecnologia Ambiental da Universidade do Vale do Itajaí (2020). Atualmente é pedagoga do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Paraná e realiza pesquisas concentradas em educação, tecnologias digitais e educação ambiental.
Instituição que trabalha: Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Paraná  (IFPR)
Curitiba - Paraná - Brasil

Referências

ARAGÃO, M.G.S. et al. Projeto político pedagógico para o curso de Educação Física: caminhos percorridos. In: Anais do XI Congresso Brasileiro de Ciências do Esporte. Florianópolis -SC, 1999.

AUSUBEL, D.P. A aprendizagem significativa: a teoria de David Ausubel. São Paulo: Moraes, 1982.

BRASIL. Ministério de Educação e Cultura. LDB - Lei nº 9394/96, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da Educação Nacional. Brasília: MEC, 1996.

CAPRA, F. et al. Alfabetização ecológica: a educação das crianças para um mundo sustentável. São Paulo, Cultrix. 2006.

FARIA, C. PDCA (Plan, do, check, action). Disponível em <https://www.infoescola.com/ administracao_/pdca-plan-do-check-action/>. Acesso em: 20 jun 2019.

FORPROEX. Plano Nacional de Extensão Universitária. Ilhéus: Editus, 2001.

FORPROEX. Política Nacional de Extensão Universitária. Porto Alegre: UFRGS, 2012.

FREEMAN, RE. Strategic management: a stakeholder approach. Massachusetts: Pitman, 1984.

FREIRE, P. Pedagogia do Oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1996.

FREIRE, P. Pedagogia da Autonomia saberes necessário à prática educativa. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1999.

GADOTTI, M. Extensão Universitária: para quê? 2017. In: Instituto Paulo Freire. Disponível em: <https://www.paulofreire.org/noticias/557-extensao-universitaria-para-que>. Acesso em: 20 jun 2019.

LEFF, E. Saber ambiental, sustentabilidade, racionalidade, complexidade, poder. Petrópolis: Vozes, 2009.

LIBÂNEO, J.C.; OLIVEIRA, J. F. de; TOSCHI, M. S. Educação escolar: políticas, estrutura e organização. São Paulo: Atlas, 2003.

MATAREZI, José. KOEHNTOPP, P. I. Conhecimento sensível e inteligível na abordagem metodológica Trilha da Vida. Confluências Culturais. Joinville, 2017.

MINAYO, M.C.S. et al. Pesquisa social: Teoria, método e criatividade. Petrópolis: Vozes. 2000.

MINAYO, M.C.S. et al. O desafio do conhecimento. Rio de janeiro: Hucitec/ Abrasco; 1999.

NOGUEIRA, M.D.P. (org). Políticas de Extensão Universitária Brasileira. Belo Horizonte: UFMG, 2005.

SAHEB, D. Os saberes socioambientais necessários à educação do presente e a formação do educador ambiental sob o foco da complexidade. Tese. Universidade Federal do Paraná. Curitiba - PR. 2013.

SILVA, O.C. A Importância do planejamento nas instituições. 2017. Disponível em: <http://uniesp.edu.br/sites/_biblioteca/revistas/20170720151402.pdf>. Acesso: 18 jun 2019.

STRINGER, E. Action Research. 2nd. ed. Thousand Oaks; Londres: Sage, 1999.

SURVEYGIZMO. Using Word Clouds To Present Your Qualitative Data. Sandy McKee. Disponível em: https://www.surveygizmo.com/survey-blog/what-you-need-to-know-when-using-word-clouds-to-present-your-qualitative-data. Acesso em: 20 jun 2019.

THIOLLENT, M. Construção do Conhecimento e Metodologia da Extensão. Texto apresentado em mesa-redonda, coordenada pelo Prof. José Willington Germano (Pró-reitor de Extensão da UFRN), no I CBEU – Congresso Brasileiro de Extensão Universitária -João Pessoa –PB, em 10 de novembro de 2002. Disponível em: <http://www.prac.ufpb.br/anais/Icbeu_anais/anais/conferencias/construcao.pdf>. Acesso em: 15 jun 2019.

THIOLLENT, M; CASTELO BRANCO, A.L.; GUIMARÃES, R.G.M.; ARAÚJO FILHO, T. (org). Extensão Universitária: conceitos, métodos e práticas. Rio de Janeiro: UFRJ, 2003.

VASCONCELOS, M.L.M.C. A formação do professor de 3º Grau. São Paulo: Pioneira, 1996.

VIÉGAS, A; GUIMARÃES, M. Crianças e educação ambiental na escola: associação necessária para um mundo melhor? In: Revista Brasileira de Educação Ambiental. Brasília, ano 0, p. 56-62, 2004.

Publicado

2021-10-05

Como Citar

Kuroshima, K. N., & Bonassina, A. L. B. (2021). DISCENTES OU DOCENTES? ANALISANDO O IMPACTO DAS ATIVIDADES DE EXTENSÃO COMO COMPLEMENTAÇÃO DO PROCESSO DE ENSINO/APRENDIZAGEM EM ACADÊMICOS DO CURSO DE OCEANOGRAFIA. Vivências, 17(34), 19-34. https://doi.org/10.31512/vivencias.v17i34.270

Edição

Seção

Dossiê: Vivências de Curricularização da Extensão Universitária